Largatudoeventimborapracá…

Um ano do Restaurante Rural Terra do Meio.

Um ano aprendendo a fazer as pessoas felizes.

Um ano aprendendo a ser feliz.

Sabe, aquela área ecológica sem frescura?

Pois é, nós conseguimos. A 15 minutos de Belém. Naturalmente, sem as plaquinhas antipáticas de é proibido isso ou aquilo. Sem os zilhões de decibéis das caixas gigantescas que nos obrigam a entender a linguagem dos sinais.

Som aqui é música. Dos pássaros, do remo da canoa, do murmúrio nas trilhas, da risada franca e desabrida da Fafá de Belém, ou rouca e sensual da Úrsula Vidal. Da crônica de Belém contada com maestria pelo Fernando Torres. Dos causos dos eternos habitantes da área, que já estavam aqui, antes mesmo de ser acampamento cabano. O curupira, a matinta pereira, a mãe dágua, a porca sem cabeça. Do grito de alegria e espanto de uma criança ao pegar o primeiro peixe. Da família ou da turma que reserva uma maloca isolada para uma comemoração qualquer.

No Terra do Meio, na medida do possível, não entra pet, latinha, copo plástico etc. os famigerados descartáveis. Usamos apenas vidro, barro, louça, inox. E madeira, aproveitada de pau caído na mata, daqui, mesmo.

Todo mundo que aqui trabalha é daqui do Uriboca e, como eu, caboco. Eles são ótimos. Eu, também.

No Terra do Meio não tem lixo! O óleo usado vira sabão caseiro. A água servida passa por um espesso filtro natural de cabomba e mururé. É devolvida limpa ao rio. Isso, diz-que é científico. Pode até ser, mas é simples, como tudo que funciona. Como dissemos, sem frescura, mas que é muita pavulagem, lá, isso é, até porque, todo mundo sabe que caboco é bicho pávulo.

Largatudoeventimborapracá,

André Costa Nunes

Sobre André Costa Nunes

Glandeador cansado de 70 anos, mas "peleando barbaridade, con espadin muy corto, pero de frente para el enimigo". * Idade: 69 * Sexo: Masculino * Atividade: Ambiente * Profissão: ESCRITOR E SITIANTE * Local: Marituba : Pará : Bósnia-Herzegovina
Esse post foi publicado em Boca de Forno!, Permeios. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Largatudoeventimborapracá…

  1. João Barreto Guimarães disse:

    Mano Velho:
    “O grito de alegria e espanto de uma criança ao pegar o primeiro peixe”, nos toca bem de perto e foi realmente um momento precioso que dificilmente se apagará das nossas retinas.
    Da pescadora, então. nem se fala. Vez por outra ela diz “vovô quando vou pescar outro peixinho?” E eu respondo: o Uriboca não vai sair se lá, qualquer dia voltaremos…….
    Abraçãooooooo
    João

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s