E O TERRA DO MEIO VAI FECHAR

E O TERRA DO MEIO VAI FECHAR

 

Esta é a última semana de funcionamento do Restaurante Rural Terra do Meio.

Domingo, 30 de janeiro de 2.011.

Inaugurou em 30 de maio de 2.009, sabendo que não era imortal posto que é chama, mas foi infinito enquanto durou.

 

O réquiem formal termina por aí.

 

O que eu queria mesmo era dizer que foi prazeroso!

Nunca curti tanto.

Vi e revi velhos amigos. E aí se incluam os novos que em um passe de caruana, de repente, viraram amigos de infância e, o que é melhor, relembrávamos reminiscências não havidas.

No início levei uma bronca da encantaria, a velha turma daqui, com quem convivo há quarenta e três anos. O Maraca, o Curupira, o Mapinguari, a Matinta, e até o Capelobo. Com letra maiúscula, sim senhor, porque a encantaria também é gente.

Quarenta e dois anos de convivência achavam que tinham direto de pelo menos ser ouvidos.

Até acho até que tinham. No início ficaram amuados, mas canalhas que são, logo aderiram ao espírito da coisa. Ensinaram-nos a fazer perfumes com ervas, raízes e cipós do mato, licores mil, inclusive seu mais recôndito segredo: licor de flor de jamburana.

Vão sentir falta. Eu também, claro, mas nos acostumaremos.

E tudo vai voltar a ser como antes nas cabeceiras do rio Uriboca. Sem essa de nostalgia, apenas lembranças. Todas ótimas.

 

Informe publicitário:

De vez em quando, espero que muitas vezes, abriremos para eventos programados. Aniversários, casamentos, confraternizações, ou, mesmo, aluguel para gandaia.

As canoas, o salão, as malocas, as trilhas, as jaçanãs, as castanheiras seculares vão estar nos trinques. A Gilmara, o Maraca, a Dona Édina cozinheira, a Graça, também.

O telefone é o mesmo, (91) 3255-1882

Fim do informe publicitário.


Estou cuíra para citar um mundo de gente, amigo(a)s, blogueiro(a)s, jornalistas e demais canalhocratas que embalaram e se deixaram embalar por este sonho.

Abraço a cada um de vocês na lembrança do Baratinha-Ronaldo Barata e do Juca-Juvêncio Arruda.

Sempre nos veremos nos botecos da vida, ou, quem sabe um dia, aqui mesmo embalados pela magia da flor da jamburana.

 

andré costa nunes

 

Este slideshow necessita de JavaScript.


Sobre André Costa Nunes

Glandeador cansado de 70 anos, mas "peleando barbaridade, con espadin muy corto, pero de frente para el enimigo". * Idade: 69 * Sexo: Masculino * Atividade: Ambiente * Profissão: ESCRITOR E SITIANTE * Local: Marituba : Pará : Bósnia-Herzegovina
Esse post foi publicado em Batalhas Renitentes, Terra do Meio. Bookmark o link permanente.

14 respostas para E O TERRA DO MEIO VAI FECHAR

  1. Wirvanor Queiroz disse:

    Como Paulinho da Viola sinto muita falta do que não vivi. Não haver conhecido o Terra do Meio, depois de tudo que li agora, me deixa frustrado, imaginando o quanto de bom eu perdi, ou tenho perdido. Como o admirável Edyr (que ele me perdõe a intimidade) também sou urbano, mas se a gelada estiver na zona rural e o papo for agradável, e me ficou a certeza que sim, vamos a ela.
    Wirvanor

  2. Paulo Fernandes disse:

    Sem conhecer o lugar (apenas sabia da sua existência pela internet) fiquei triste com a notícia. Depois de tanto tempo, qdo acesso o endereço (sábado, 123\11; as 18:40h + -) fiquei sabendo do fatídico acontecido. E só acessei a pagina a na internet pq fazia planos para conhecer o lugar no domingo, dia 13, junto com a minha família. Tomei um choque com a crônica, mas achei que fosse brincadeira e liguei para o telefone que aparece no site. Chamou até cansar… Pôxa…, agora como fico? Não o conheci o lugar (nem eu, nem minha família). Espero que volte um dia (que pode ser o dia de amanhã, ou, logo breve, tomare…)

  3. Pedro Ayres disse:

    André
    Fiquei muito amolado com a notícia do fechamento da “Terra do Meio”, até porque pensava que quando estivesse novamente por essas bandas, poderia desfrutar da magia do local. É claro que novas “terras do meio” ainda poderás criar e novos encantamentos surgirão para garantir a força e a beleza do empreendimento. É o que desejo.

  4. Lucia Helena Carvalho Pinheiro (Val-André) disse:

    Caríssimo André.
    Terra do Meio. Terra que não é do meio, mas, de dentro.
    De dentro da alma de quem a criou e dos que tiveram o prazer de conhecer e frequentar, aos quais me incluo, juntamente com meus familiares.
    Cada lugar representa a magia, a beleza e principalmente: a sabedoria.
    Tenho certeza que quando for novamente a minha querida terra, não deixarei de dar uma esticada à tão majestoso lugar.
    Sim, majestoso porque sempre representará a Criatura e o Criador.
    Abraços André.
    Lucia Helena

  5. josé roberto balestra disse:

    André, quem sou eu pra lhe dizer alguma coisa sobre o “Terra do Meio” se nem bem conheci-lhe as fotografias e o linquei em meu blog, e agora você já me vem com essa notícia triste…

    Olha, o defeito do sonho é este mesmo; de repente a gente acorda. Porém, insista, e durma de novo… A vida é isto: sonhos. O resto são o que são.

    abraços

  6. Se fechou eu vou invadir! Rsss. Quando estiver ai.

    Abraços Mestre André.

    Até mais ver.

    Val-André

  7. Rubem Machado disse:

    Com todas as citações dos habitantes da floresta, não encontrei um motivo de facil entendimento para o fechamento da nossa Terra do meio ! Juro que penseii que voce iria ficar ateh o desencanto (voce sabe que eh encantado não sabe ?). Paciencia espero ve-lo de novo num futuro breve, relembrando bons momentos.

    Rubem

  8. Melquesedeque Alves Filho disse:

    Camarada André,

    Como membro autoindicado, autoaprovado, efetivo e vitalício, com direito a voto e jamburana, da diretoria quero fazer uma declaração de voto!

    Não fui comunicado, tampouco informado, do passamento do Terra do Meio, resuscitando apenas para gandaias, como informa a coluna do vetusto confrade Guilherme Augusto que, na volta das férias, não tinha notícia boa para dar.

    Destarte, quero aqui declarar de público e como ato de resguardo de direitos que, se o amigo tomou essa decisão, eu concordo de imediato e de pleno!

    Porque o amigo, mesmo que esteja errado, está certo! Afinal, meio, ou mais ou menos amigo, não existe!

    E tenho dito!

    Grande abraço e reserve o estoque de geladas e jamburana para nossos longos papos.

    Melque

  9. Dulce Rosa Rocque disse:

    Hei, André, que triste noticia que me dás.

    Quando minha filha vier, onde a levo?

    Depois conversamos.
    Meus pesamos (ou nossos pesames???)

    abs

  10. FRANCIRENE NUNES DA SILVA DORIA disse:

    Querido tio André
    Também já estou com saudades e nem conheci pessoalmente, a TERRA DO MEIO, só de ouvir falar muitas delícias.
    Mas ficando aí você, meu amado tio,ficam todo os encantamentos, você é meu contador de estórias e perto de você: “Sempre é lugar para ser Feliz”
    Para ser sincera tinha ciúmes desta TERRA DO MEIO, porque antes te via mais,sempre davas umas escapadas por aqui.
    Que se perpetuem as magias pois o sonho não acaba apenas mudam os contornos, sempre haverá poesia enquanto o poeta viver.
    Mil beijosss..Sadadesss…
    Francirene

  11. Jorge Augusto Macêdo disse:

    Camarada André,

    Emprestei um pouco de Neruda para acrescentar ao Requiém epitáfico com cara de ressurreição:

    “Esperemos”

    Há outros dias que não têm chegado ainda,
    que estão fazendo-se
    como o pão ou as cadeiras ou o produto
    das farmácias ou das oficinas
    – há fábricas de dias que virão –
    existem artesãos da alma
    que levantam e pesam e preparam
    certos dias amargos ou preciosos
    que de repente chegam à porta
    para premiar-nos
    com uma laranja
    ou assassinar-nos de imediato.

    “Se cada dia cai”

    Se cada dia cai, dentro de cada noite,
    há um poço
    onde a claridade está presa.

    há que sentar-se na beira
    do poço da sombra
    e pescar luz caída
    com paciência.

    Pablo Neruda (Últimos Poemas)

    Um Grandioso abraço ao Artesão da Alma do Uriboca.

  12. Pingback: Tweets that mention E O TERRA DO MEIO VAI FECHAR « Tipo assim… folhetim -- Topsy.com

  13. Edyr Proença disse:

    Amigo André,
    Sinto muito. Vai fazer falta. Não sou chegado à natureza de beira de rio. Muito menos às comidas regionais. Pior, não bebo. Mas, através de relatos e crônicas de diversos amigos frequentadores, posso dizer que de alguma maneira estive no Terra do Meio. Tive a sensação dos momentos deliciosos que passaram juntos em tão aprazível lugar. Um brinde a você e obrigado por propiciar tanto a “tontos de felicidade”, não é. Sou um frequentador que nunca esteve e no entanto já sente a ausência.
    Edyr

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s